• Princípio de Causalidade, Existência de Deus e Existência de Coisas Externas
    Cadernos de História E Filosofia da Ciência 10 (1). 2000.
    Meu objetivo nesse artigo é o de reconstruir a primeira prova da existência de Deus e a prova do mundo externo como estas são apresentadas por Descartes nas Meditações Metafísicas tendo como fim examinar o modelo de causalidade nelas envolvido. Pretendo mostrar que embora Descartes, nas duas provas, ao recorrer ao princípio de causalidade, expressamente mencione um único e mesmo modelo de causalidade, a saber, o modelo segundo o qual a causa transmite sua essência ou parte dela a seu efeito, par…Read more
  • Idéias dos Sentidos Segundo Descates
    Cadernos de História E Filosofia da Ciência 19 (1). 2009.
    O objetivo desse artigo é examinar o conceito de falsidade material das idéias introduzido por Descartes na Terceira Meditação das Meditações Metafísicas. A hipótese a ser defendida é a de que o que determina a falsidade material das idéias é o fato destas envolverem uma contradição em seu conteúdo representativo. Isto é, no lugar da interpretação tradicional segundo a qual o que caracteriza as idéias materialmente falsas é o fato destas envolvem um erro categorial ao exibirem modos da alma como…Read more
  • Observações sobre a dúvida cartesiana
    O Que Nos Faz Pensar 5-24. 2010.
  •  36
    Em harmonia com sua tese acerca do conhecimento de um modo geral, Tomás de Aquino sustenta que o conhecimento que o intelecto tem de si é também dependente dos sentidos. Segundo Tomás, há pelo menos dois modos de o intelecto se conhecer (ambos em virtude do ato do intelecto de conhecer): o conhecimento singular da existência do intelecto e o conhecimento universal da natureza do intelecto, isto é, o conhecimento de seus princípios de operações, ambos dependentes, ainda que de modo remoto, das pe…Read more
  • Observações sobre a Sexta Meditação de Descartes
    Cadernos de História E Filosofia da Ciência 16 (1). 2006.
    O objetivo do artigo é examinar o argumento cartesiano em favor da distinção corpo/alma à luz da tese, também cartesiana, da união corpo/alma no homem. A hipótese a ser defendida é a de que a prova da distinção real entre corpo e alma envolve um conceito de substância segundo o qual um atributo principal não pode coexistir com outro numa mesma substância. Mais ainda, será sustentado que interpretando assim o argumento em favor da distinção é possível admitir que Descartes ao provar a união entre…Read more